Arquivo para agosto, 2011

  
   Será que o medo é tão ameaçador, que certas pessoas chegam a ter medo de seu próprio medo? Mais, a verdade é que há o medo permanentemente envolvido desde a infância e começa pequeno, mais no decorrer do tempo deixou crescer demasiadamente, aí vem os sofrimentos de todo tipo, deixando a pessoa refém dele mesmo, é ele que provoca seu próprio sofrimento, o medo é primitivo, e você apedeuta sabe? Ou não, será que aprendeu a gostar de conviver com ele? Toda pessoa tem medo de alguma coisa, mais seu medo foi uma conquista sua, gostou de conviver com ele não é?Ou não, vive falando diariamente dele, deixando que ele penetre no seu cérebro destruindo até a sua alma, você é um ser único no universo, veio para crescer doar-se e praticar o amor incondicional, servir de exemplo ás vidas que vai deixando na caminhada da sua existência, olhe a natureza, uma borboleta voa quilômetros para fazer a alegria dos que apreciam e é tão pequena, mais voa com galhardia transbordando com sua beleza, sem se preocupar com o medo, sendo assim aprenda a não ter medo do seu medo, o amistoso querendo dar luz, aos que gostam de viver com o medo, na escuridão dos seus pensamentos, e se envolvendo cada vez mais, esperando que o milagre apareça, só que esse milagre você é o santo, então não tenha medo do medo. Antônio Almeida, o amistoso 01/06/2011.         

     O homem é uma fantasia, um sonho, uma existência, uma verdade, ou uma relativa verdade de uma existência, ou ainda não aprimorou e se não aconteceu para que viver, para provar o que? Se não aprendeu o seu significado de sua existência, nem mesmo o nascimento, muitas histórias, que dizem verdadeiras do absoluto, mais acaba tudo no relativo, na realidade, somos fantasma de nós mesmos, aparecemos e depois desaparecemos, como se nunca tivéssemos existido, é sempre assim, o princípio, meio e fim, ou não tem algo mais, além da fronteira intransponível, que não foi revelado ainda, mas, quando, o que falta inventar para descobrir que nós somos uma ilusão passageira no globo terrestre, que vive há quinhentos e quarenta milhões de anos, no universo praticamente inabitável, para a raça que chamamos de humanos, que vive para morrer, pois já nasce morrendo aos poucos, só não sabe o momento, onde está às glórias de viver intensamente, muitas vezes da pior maneira possível, quem disse que sabia demasiadamente, porque não fez melhor o que disse o que sabia, mas, na verdade, o segredo mesmo é sofrimento constante e dor. O mundo envelhecendo até a morte chegar, o fim, o tudo ou nada. O amistoso, tentando entender a verdade da vida Antônio Almeida 11/07/2010.                                                                                                         

Eu sei que não mais significo o que significava, ou não signifiquei o que queria significar, fiquei na minha insignificância, sem existir e existindo, sem entender o porquê, pois, não deixo o que devia, passei pelo tempo, se é que ele existe? Não sei se me mandaram no meu momento, sendo assim, eu não deveria saber o que sei que devia entender, antes do entendido. Passei notoriamente pela vida, sem saber de fato se vivi, e se realmente temos mesmo que ser lembrado? Se não teremos outras vidas, então é melhor não lembrar o passado, se não mais existe, só sei que deixo a semente dar a continuidade, pós-humano, trans-humano, robôs e a inteligência artificial, será? Não sei. Alguém um dia dirá o que vai saber, e eu, não vou ver essa nova raça. Eu nasci e faleci na escuridão de quem não sabia demasiadamente nada, mais o que sabe você? Não entramos e saímos sem entender o que deveria ter entendido, pois é um grande mistério essa nossa vida insignificante, do nada retornando ao nada, não sei se significo nem mesmo a minha insignificância, se eu não sei se existo ou é tudo uma ilusão da minha existência.  O Amistoso, querendo filosofar a filosofia.
Antonio Almeida. O5/04/2010.

O nascimento com muito amor, este é o sentido da vida. Sim ou não? A boa educação o crescimento a juventude, este é o sentido da vida. Sim ou não? Viver plenamente, conquistar suas metas e objetivos, este é o sentido da vida. Sim ou não? Praticar o amor incondicional, este é o sentido da vida. Sim ou não? Casar ter filhos, este é o sentido da vida. Sim ou não? Morrer subitamente, este é o sentido da vida. Sim ou não? A fome e a miséria este é o sentido da vida. Sim ou não? Ver o sol e a escuridão da noite. Este é o sentido da vida. Sim ou não? Saber que tem mais de um bilhão de pessoas passando fome este é o sentido da vida.Sim ou não? Ver tanta gente passando fome e não ajudar, este é o sentido da vida. Sim ou não? A religião este é o sentido da vida. Sim ou não? Deus é este o sentido da vida. Sim ou não? Você é este o sentido da vida. Sim ou não? Nascer pobre e viver na miséria e morrer miseravelmente, este é o sentido da vida. Sim ou não? Nascer sabendo que vai morrer, este é o sentido da vida. Sim ou não? Viver enganando a se próprio este é o sentido da vida. Sim ou não? O não reconhecimento do outro, este é o sentido da vida. Sim ou não? Se anular em função do outro, é este o sentido da vida. Sim ou não? Viver esperando a morte chegar, este é o sentido da vida. Sim ou não? A matança de inocentes em uma guerra sem motivos aparentes, este é o sentido da vida. Sim ou não? O desequilíbrio social, este é o sentido da vida. Sim ou não?  O pai a mãe, este é o sentido da vida. Sim ou não? O ontem o hoje e o amanhã, este é o sentido da vida. Sim ou não? Eu sou este sentido da vida. Ou não?  O amistoso, sem entender o sentido da vida ou não? Antônio Almeida 10/09/2010.
  
Tem pessoas únicas, nasceram com cores que transbordam, e iluminam sempre , como se fosse ou é mesmo eternizada, neste pequeno mundo deste universo demasiadamente infinito, e cada vez mais distante para entendê-lo, mais tem minúsculas partículas cósmicas, que iluminam permanente. Fazendo sempre um pacto entre o seu universo, e esse pequeno planeta. Trazendo alegria com essas cores, que olhamos e sentimos essa transformação cósmica, que vem anunciando à aproximação de mais um verão, que irá brilhar e trazer a alegria, para que as pessoas se sintam significantes, pelo menos por um período da sua significância consciente de sua existência, como um ser plasmático que vive entre as pessoas, na ilusão de sua existência, mais a ainda existem alguns, no nosso mundinho, que fazem os outros pensar, será que existo mesmo?Debaixo desse arco-íris, ou é demasiadamente uma pura ilusão? São essas pessoas únicas, que nós faz pensar que ainda vivemos. Ou não? Eu ainda não sei. quem somos você já sabe ou só fica dizendo eu sei. O mundo é maravilhoso, será? Com um bilhão de pessoas passando fome, a onde está à verdade absoluta, eu vou ficando no relativo sem entender o livro da verdade. O amistoso, na sua caverna escura a procura de uma luz de verdade para entender os infalíveis, que já leu o livro e diz. Eu sei?A verdade da vida será?
O amistoso, Antônio Almeida 14/08/2010.

Muitos dizem que o cérebro produz a mente, mais ele é visível e a mente quem ver? Neste caso a mente poderia produzir o cérebro não é ou não? Eu não sei se você conhece o seu ou a sua, ou fica aí pensando que conhece será?Ou é pura imaginação da sua mente, que não vive ligada ao seu cérebro, pois é independente um do outro, um tem uma vida útil, o outro vive eternamente na sua invisibilidade, se perpetuando em cada ser e se eternizando e evoluindo através dos tempos, para dar ao o outro, o conhecimento constante em busca da perfeição do ser, para encontrar uma maneira de se completar universalmente, no entendimento das coisas que ainda não foram explicadas entre um e o outro, para o maior entendimento daqueles que dizem que sabe e ficam sem dizer o que nada sabem, sobre a sua mente invisível no anonimato dizendo, eu sei. O seu cérebro ainda não descobriu a sua mente, mais ela já conhece desde os tempos mais remotos de suas vidas, que habitam este planeta, quem sabe que num futuro próximo, você não irá conhecer demasiadamente a sua mente, tente passe para a outra e procure desvendar este mistério, que até o momento está na sua invisibilidade, fazendo sempre presente, nas coisas mais complexas desta nossa vida.
O amistoso, tentando entender o que todos entendem não é? Antônio Almeida 16/08/2010.    

Às vezes fico imaginando a grandeza do universo, com tantas estrelas e vários planetas, e a terra girando em torno, e nos participando, mais sem ver, porque estamos voltados para a matéria, e preocupados em demasia com a nossa sobrevivência, será? Que a roda está sempre girando, e as vidas são as mesmas, que retornam para completar o seu ciclo, ou vão e não voltam mais, e evaporam sem dizer o adeus final desse mistério que é a vida, dizem que há algo mais além do nosso horizonte, quem pode afirmar, se não temos provas para desvendar essas coisas que não sabia, será que não evoluímos ainda o suficiente, para entender que a nossa mente não está capacitada para o que está em cima, nós alertando sobre as coisas que deveríamos saber, a cegueira continua quem tem olhos que veja se não, vai continuar na escuridão eterna, sem ver nem mesmo o que está em baixo não é? Ou não, é nessa busca que caminhamos sem entender o dito que muitos propalam, mais para disfarçar o que já se entendia, desde os tempos remotos, já se afirmava que viemos da água, então viemos de baixo, neste caso já deveríamos entender o que está em cima não é? Ou estou em cima sem saber que estou em baixo.
O amistoso dando uma de visionário, como aqueles que diziam por aí, que sabia e se lambuzou como Tales de Mileto. Antônio Almeida 21/02/2011.     

O conflitante não prepara o terreno e nem faz as queimadas para semear, nem plantando e cuidando para colher bons frutos, ele não tem a percepção de entendimento da vida, vai vivendo mais só olha, e quem só olha não ver as coisas como elas são o outro para ele não existe, pois ele é sempre o dono da razão, é discordante não existe, pois ele é sempre o dono dela,é discordante em quase tudo, mesmo sem saber, mas diz que sabe sem entender o dito,o apedeuta é desta maneira que vive, diz eu sei. Será mesmo? Ou vive fingindo todo tempo, e nunca diz o que sabe, verbaliza o absoluto, mais está sempre na retórica do relativo demasiadamente, sem entender-se consigo e não consegue ser, mais não sabe distinguir o absoluto do relativo. Na verdade esse tipo de pessoa perambula pela vida, mais sempre está a dizer das coisas com tanta arrogância, que se torna um aprendiz permanentemente daquilo que diz que sabe, mas sem nada saber, e vai vivendo sem procurar entender a sua dialética, é sempre a discordância de tudo e de todos à sua luz, não tem brilho, vive na escuridão das palavras sem dizer o que sabe,será?  Mesmo que alguma vez procurou entender o dito e diz eu sou incompreendido por quem? Você sabe e não quis entender as coisas e fica se lamentando. A vida é simples, seja como ela.                              
        O amistoso, Antonio Almeida.  13/12/2010

         É ciumento tem desvio de comportamento e múltiplas personalidades, não gosta de ser mandado é o senhor da razão, gosta do poder dominador e faz sutilmente é exagerado na limpeza, pois não quer deixar rastro, o bicho é desanuviado se anuvia, sem que os mais próximos e os menos perceba, e só aparece com a sua segurança máxima para se proteger, usa as pessoas, tira o que lhe é agradável e bom para a sua proteção, e depois descarta gradativamente, invertendo o jogo do que era bom, e o que não é mais útil no momento, ele coloca no esquecimento, para usar quando for necessário, para que os outros se afaste, é como o senhor da bondade e dos bons sentimentos, dizendo-se incondicionalmente justo, mais, diz sempre que é injustiçado, está sempre se lamentando do atual momento, que é a individualidade o bicho de difícil comunicação, não recebe ninguém porque, eu é que não sei. E você sabe e fica na nulidade recebendo a sua proteção, exageradamente sem enxergar que tem algo mais, através da sua invisibilidade presente. O amistoso, querendo entender à inteligência desenvolvida deste novo século, Sócrates já dizia que nada sei. E eu digo que nada sabia. Antônio Almeida 24/04/20011
Como é difícil está fase da vida, será que vivemos ou caminhamos sempre, cada vez mais para as grandes dificuldades, que é esse estágio, de um prolongamento longo de mais, suportar o novo desarmado, é como estivesse em um oceano sozinho, olhando para frente sem ver, o verdadeiro sentido de viver demasiadamente, por que, gostaria de conhecer através de meus pensamentos, o propósito do verdadeiro sentido e entender o nosso passamento, de uma vida tão dolorida, porque tanto sofrimento para chegar ao nada, à efemeridade é uma constante e então quem eu sou? E porque estou aqui, será que transmutarei algum dia, ou não, será que já sabem e não diz o que o absoluto quer de nossas vidas, gostaria muito de saber, antes que subitamente desapareça sem saber, quem sou, ou se existir mesmo neste planeta água, sem entender o que todos sabem e dizem que a vida é uma dádiva de Deus? Como sabe se ele nunca disse mais você sabe e diz que ela é maravilhosa não é?Ou não, vai fingindo e vivendo sem conhecer o desconhecido, que alguns dizem que conhece iludido pelos apedeutas que dizem que sabe mais, à verdadeira verdade ainda procuram a milhares de anos, só Jesus disse segundo o livro, eu sou a verdade e a verdade é a vida, será que ele disse mesmo?Se Ele professou porque tanto sofrimento e tanta dor, sendo assim, a vida fica sem sentido para se viver. O amistoso querendo desenvolver a sua mente para não caducar antes do tempo, se é que já não está na neblina sem ser reconhecido, porque muitos olham mais não ver, até os pequeninos já querem lhe ensinar, sem terem cursado a faculdade da vida, mais, daqui alguns anos, vão lembrar, deste livro velho e bolorento que está nas prateleiras da biblioteca da vida e afirmar, como é difícil viver demasiadamente, oi minha coluna, oi meu coração, oi minhas pernas, oi meus braços, oi minha diabetes, oi minha trombose venosa e profunda, oi minha pressão, minha memória esta falhando, será que estou chegando ao fim de uma vida ou é apenas um ensaio? Para o retorno do super homem, quem sabe, tudo é possível, até o boi voar, a vaca já foi para o brejo e se afogou e ninguém sabe e nem viu. Eu nada sei e você o que sabe.
Antônio Almeida 20/06/2011.
Publicidade
Visitas
Tempo